Azinha

A Azinha é o ex-libris dos locais de voo na Serra da Estrela. A descolagem é virada a sul no topo mais alto do Vale de Manteigas, garantindo uma vista incrível para a Torre (o ponto mais alto da Serra da Estrela e de Portugal Continental) e sobre o Rio Zêzere.

Foi o Clube Vertical que descobriu o local e fez de lá os primeiros voos, em 2003, tendo posteriormente trabalhado com as autoridades locais, includindo o Parque Natural e a Câmara Municipal de Manteigas para melhorar o espaço da descolagem e o acesso à mesma pela estrada de montanha.

A torre situada na descolagem faz parte de um sistema de vigilância e prevenção de incêndios, tendo-se tornado uma caraterística comum das fotos de parapente em Portugal.

Esta descolagem é complementada com a de Vale de Amoreira, tendo já alojado várias competições, incluindo o Campeonato Nacional durante vários anos, o Nordic Open em 2011 e a Taça do Mundo em 2005.

Condições de voo: Devido à exposição a sul, com o sol a aquecer a encosta e as caraterísticas orográficas do local, é possível voar com qualquer direção de vento se a velocidade do vento meteorológico não exceder os 15km/h. Se o vento meteorológico for também de componente sul então deve descolar-se com a velocidade vento limitada a 20km/h, adicionando a atividade térmica, normalmente funciona todo o dia. O vento de componente Leste funciona até às 18h e o vento de componente Norte e Oeste até às 15h. A previsão ideal é de vento de componente sul fraco ou oeste.

Ver mais fotografias na galeria.

Identificação do Local de Voo
Coordenadas da descolagem 40.4309°N, 7.4556°W
Coordenadas da aterragem 40.4037°N, 7.4428°W
Altitude 1250 m
Desnível 700 m
Direção de vento Sul e Oeste
Area da descolagem 6000 m2

Pode encontrar mais informações e tracks de voo a partir desta descolagem em XC Portugal

Club address

Largo da Reboleira - Sameiro, Manteigas

N 40º 24' 43.98'' W 7º 28' 07.20'' 

This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

 

Managers

Paula Martins, Pedro Patrício and Fernando Pereira